Maçonaria Primitiva

De Ocultura
Ir para navegação Ir para pesquisar

A introdução a este artigo oferece contexto insuficiente para aqueles não familiarizados com o assunto.
Por favor nos ajude a melhorar a introdução para atingir o padrão Ocultura de qualidade. Você pode discutir o assunto na página de discussão.

Tijolo2-web.jpg

Este artigo apresenta-se bruto.
Ajude-nos a dividir seu conteúdo em sub-títulos para facilitar e tornar mais clara a sua leitura!

Alguns autores costumam dividir a história da Maçonaria em três períodos:

  1. Maçonaria Primitiva;
  2. Maçonaria Operativa; e
  3. Maçonaria Especulativa.

A Maçonaria Primitiva, ou "Pré-Maçonaria", como entende André Chedel, citado por Vanildo Senna em "Fundamentos Jurídicos da Maçonaria Especulativa", abrange todo o conhecimento herdado do passado mais remoto da humanidade até o advento da Maçonaria Operativa e, por sua vez, é dividida em nove fases sucessivas, a saber:

  1. Mistérios Persas e Hindus;
  2. Mistérios Egípcios;
  3. Mistérios Gregos dos Cabires;
  4. Mistérios Gregos de Ceres ou Demeter;
  5. Mistérios Judaicos de Salomão;
  6. Mistérios Gregos de Orfeu;
  7. Mistérios Gregos de Pitágoras;
  8. Mistérios dos Essênios; e
  9. Mistérios Romanos.

A Maçonaria Operativa, que se estende por toda a Idade Média e a Renascença e termina com a fundação da Grande Loja de Londres, compreende a história dos operários medievais, construtores de basílicas, catedrais, igrejas, abadias, mosteiros, conventos, palácios, castelos, torres, casas nobres, mercados e paços municipais. Por vezes protegidos pelos Papas e deles dependentes, os Maçons operativos eram essencialmente católicos.

A fundação da Grande Loja de Londres, determina, portanto, o fim da Maçonaria Operativa e marca o início do terceiro período da história da Maçonaria, a Maçonaria Especulativa ou Maçonaria dos Aceitos ou, ainda, como disse Nicola Aslan, "da Maçonaria em seu aspecto atual de associação civil, filosófica e humanitária".

Sobre a transformação da Maçonaria Operativa em Maçonaria Especulativa, diz-nos Vanildo Senna:

"A esta transformação os ingleses dão a denominação de Revival, que significa renovação, renascimento, datando-a de 1717. O adjetivo "especulativo" só foi aplicado aos Maçons "Aceitos" em meados do século XVIII. Esta denominação de "especulativo" era dada, no século XVII, a toda pessoa propensa à contemplação e à meditação. O "especulativo" era o idealista e não o homem de ação ou profissional. Eram homens cultos, naturalistas, eruditos e historiadores."

Com a transformação da Maçonaria Operativa em Maçonaria Especulativa surge, no ano de 1723, a primeira Constituição Maçônica, elaborada pelo Irmão Reverendo James Anderson para uso da Grande Loja de Londres. A partir de então a Maçonaria adotava uma forma de organização política que deveria conservar daí por diante.

Atualmente a Maçonaria Especulativa conhece dois sistemas de organização política: o Sistema do Grande Loja e o Sistema do Grande Oriente, cada um com suas características próprias que os distinguem um do outro.

Leia também


Fonte