Paganismo

Paganismo vem do latim paganus: literalmente, "homem do campo", "camponês" ou "aldeão". O conceito atual, sinônimo de politeísta, de "idólatra", de "não crente" em Cristo, procede da época imperial Romana, na qual, o cristianismo se converteu em religião oficial do Império.

Conceito

Segundo alguns, o paganismo é, na verdade, uma cultura, tal como a Cultura Oriental, Cultura Ocidental, Cultura Aborígene, etc, etc. E, como toda cultura, ele também tem uma espiritualidade típica (que podemos chamar, antropológica e sociologicamente, de "religiosidade") que pode se traduzir em diferentes religiões. Mas o Paganismo em si, não é uma religião. O correto seria falarmos que a Wicca, a Bruxaria Italiana, a Bruxaria Ibérica (para ficar em poucos exemplos) são religiões pagãs, ou seja, religiões que manifestam a cultura pagã.


Características Culturais

  1. Por sua raíz paleolítica, dos tempos de grupos nômades de caçadores-coletores, a principal característica é, sem dúvida, uma forte ligação à terra, à natureza, tida como sagrada e viva.
  2. Por sua origem matrifocal, há um sentimento bem claro de corresponsabilidade entre todos os membros da comunidade, ligados por laços de parentesco a uma Ancestral comum - a Grande Mãe.
  3. Esse sentimento de ancestralidade é partilhado também com a Natureza e particularmente com os seres-vivos, levando a um fundamental respeito a todas as formas de vida e existência.
  4. Por isso, a cultura pagã tem uma relação mágica com a natureza, o que inclui a sexualidade.
  5. Noção cíclica do tempo, a partir da ciclicidade dos fenômentos naturais (estações, lunação, movimentos do sol, etc), em contraste à noção linear das culturas de matriz abrâmica...
  6. ... e o consequente sentimento de profunda responsabilidade e parceria com a Natureza, tornando os humanos corresponsáveis pela continuidade do círculo.
  7. O que, por outro lado, também leva a um profundo respeito pelos antepassados, que sacrificaram sua vida para que a comunidade continue a existir; o que inclui um certo tradicionalismo na produção econômica e nos costumes sociais.
  8. Organização social baseada na partilha e na fraternidade.
  9. Organização politica matrifocal, onde a rainha e/ou a sacerdotisa é uma função permanente e hereditária, que confere, por associação, legitimidade ao rei.
  10. Desenvolvimento de uma medicina natural, baseada nas qualidades curativas das ervas, e xamânica, baseada no poder fértil da Natureza e na relação mágica com a realidade.

Religiosidade

Dos pontos comuns a todas as sociedades da Cultura Pagã, surgem as características das religiões pagãs, ou seja, dos esquemas que dão forma e concretude à espiritualidade pagã. Talvez possamos listar, com pouca margem de erros, as seguintes:

  1. Talvez a principal caractetística da religiosidade pagã seja a radical imanência divina, ou seja, ela se encontra na própria Naturezao que inclui os humanos), manifestando-se através de seus fenômenos.
  2. uma religiosidade baseada no feminino, representado pela Grande-Mãe.
  3. O masculino surge a partir dessa referência feminina básica, como filho e consorte e, portanto, só conhecido a partir da Deusa. Talvez por isso a maioria dos povos pagãos não tenham desenvolvido a noção de um "Deus-Pai", embora vejam o Deus como provedor e como educador.
  4. A ausência de dualismo, ou seja, não têm noções de opostos e/ou complementares (bem x mal, céu x inferno, matéria x espírito, etc, etc).
  5. A ausência desse dualismo também leva à ausência da noção de pecado, inferno e mau absoluto. Como a relação com os deuses é sempre pessoal e direta, a idéia de uma afronta à divindade é tratada também pessoalmente, ou seja, entre o cidadão e a Deidade ofendida. Assim, sem noção de pecado, também não há noção de inferno.
  6. A sacralidade da Terra também levou à ausência de templos, o que, no entanto, não impede a noção de Sítios Sagrados, em geral bosques, poços ou montanhas. Templos pagãos são um desenvolvimento muito posterior.
  7. A imanência dos deuses e a ideologia da ancestralidade divina, confere à deidade características antropomórficas e as relações tendem a ser de igual prá igual, o que pode incluir discussões, brigas, xingamentos, ameaças, etc.
  8. O calendário religioso se confunde com o calendário sazonal e agrícola, o que lhe confere um caráter de fertilidade. Portanto, as festividades acontecem nos momentos de mudança e auge de ciclos naturais.
  9. Essas relações pessoais humanos-deuses, leva à ausência de dogmatismos e/ou estruturas religiosas padronizadas, havendo, pois, uma grande liuberdade de culto: cada cidadão tem liberdade de cultuar dos Deuses em sua casa, da forma que desejarem. Basicamente, é uma religiosidade doméstica ou de pequenos grupos com laços de sangue ou de compromisso. No entanto, os Grandes Festivais são sempre rituais comunitários, pois comprometem todos os membros da comunidade.
  10. A relação mágica com a Natureza obviamente se traduz numa religiosidade mágica.
  11. A sacralidade da Natureza torna todas as religiões pagãs em religiões de comunhão, ou seja, que não visam dominar a Natureza, mas harmonizar-se com ela. Por isso, também são religiões intuitivas e emocionais. Em geral, os pagãos não "pensam" sobre sua espiritualidade; eles simplesmente vivem-na.
  12. O respeito aos ancestrais e o tradicionalismo que isso implica, faz das religiões pagãs uma experiência de continuidade na egrégora ancestral, ou seja, a repetição dos mesmos ritos, na mesma época, cria a união mística com todos aqueles que já celebraram antes. Nesse momento, o tempo é rompido e se estabelece uma relação mágica com ele também: a repetição do rito torna presente o momento primevo de sua realização e todos aqueles que, ao longo dos séculos, dele tenham participado.
  13. A perspectiva cíclica do tempo dá a certeza do eterno retorno.
  14. Embora alguns povos tenham desenvolvido a idéia de um "Outro Mundo", a vida pós-morte nunca foi um ideal pagão, pois isso significaria ficar fora do ciclo e, portanto, da comunidade. Assim, o "Outro Mundo" (para aqueles que desenvolveram essa idéia) será apenas uma passagem entre uma vida e o renascimento. O encontro com a Deidade se dá sempre na comunhão com a Natureza, e não no Outro Mundo.
  15. Obviamente, diferentes povos da Cultura Pagã desenvolveram suas liturgias e costumes religiosos típicos, locais e ancestrais, o que pode aparecer como "diferenças" entre religiões. No entanto, essas características básicas permanecem, pois são típicas do Paganismo.

   Esta página foi acessada 30 185 vezes.
O Ocultura utiliza o MediaWiki Valid XHTML 1.0 Transitional Valid CSS!