Necronomicon

De Ocultura
Ir para navegação Ir para pesquisar

"That is no dead which can eternal lie,
and with strange eaons even death may die."
- Necronomicon

O Necronomicon, ou Kitab-al-Azrif, seria um terrível grimório escrito pelo Árabe Louco Abdul al-Hazred. O livro, entre outras coisas, permitiria o contato com antigos seres extra-planares, ou alienígenas, que num passado distante teriam governado esse planeta e hoje aguardam as estrelas retornarem ao ponto ideal e assim despertar de um profundo sono, prontos a devorar a humanidade e reestabelecer seu reino.

Um tanto fantástico demais? Não seria para menos, pois o livro, um dos centros básicos da literatura de horror de Howard Phillip Lovecraft é uma invenção do próprio autor.

Abdul al-Hazred na verdade é o nome de um personagem imaginário que Lovecraft usava quando era criança. Na idade adulta achou que este seria um bom nome para o autor do livro maldito que criava para sua própria mitologia de horror. Mas uma coisa lhe escapou: Abdul Alhazred é um nome impossivel dentro da cultura árabe. A explicação é bem simples, o fato é que a palavra "ABDUL" é derivada de "ABD Al" que significa "servo de", dispensando o uso de uma preposição em sequência. Logo Abdul al-Hazred é uma construção gramaticalmente redundande em árabe pois significaria algo como "Servo de de Hazred" repetindo a preposição.

O correto seria simplesmente "Abdul Hazred", mas não é assim que o vemos registrado na maior parte das diversas referências ao livro ou mesmo nas suas auto-alegadas edições.

E não é só o Necronomicon que entra nessa dança de livros lendários, vários outros dos chamados "Mitos Cthulhianos" também são meras criações de autores amigos de Lovecraft. Livros como "Vermis Mysteriis", "Book of Eibon", "Unaussprechlichen Kulten". Segue um trecho da carta do próprio Lovrecraft para Willis Conover, em 28 Julho de 1936 falando sobre isso:

"For that it regards the 'frightful and forbidden books' that I cited sometimes in my stories, I am forced to admit that the greater part of them is purely invented. Did not ever exsist a Necronomicon by Abdul Alhazred, because I invented these names. Robert Bloch created the personage of Ludvig Prinn and his De Vermis Mysteriis, while The Book of Eibon is an invention of Clark Ashton Smith. At last, Robert E. Howard is the responsableof Friedrich von Juntz and his Unaussprechlichen Kulten..."

Outra coisa curiosa é o fato de que é dito nas biografias do Necronomicon que o livro foi incluído no Index Expurgatorius da Igreja Católica em 1232, no entanto a primeira edição do tal índice de livros proibidos pela Igreja só existu em 1559, com edições atualizadas de 50 em 50 anos até 1952. Logo, mais uma prova da total ficção de Lovecraft.

O fato é que suas histórias acabaram tomando forma própria, e uma série de fãs ao redor do mundo começou a dar base para que o livro "realmente" existisse. Foi incluído em listas de lojas de antiguidades, catálogos de bibliotecas, entre outros. Com o tempo foram feitas edições do mal-afamado livro, que variavam do pífio livrete de jornal a imponentes edições em capa dura, com conteúdo variando muitas vezes de uma versão para outra.

Curiosidades sobre o Necronomicon

  • O nome árabe do Necronomicon, Kitab-al-Azrif, significaria "O Sussuro das Demônios do Deserto" Complicado??? Não! Basta prestar atenção no nome: Azrif é uma onomatopéia que derifa do zumbido dos insetos do deserto, que no passado remoto era atribuido aos gênios que vagavam na noite sobre as areias. Seria a partir desses zumbidos que o "Árabe Louco" teria escutado e escrito o Necronomicon.
  • Uma das cópias do Necronomicon, segundo Lovecraft, estaria na Biblioteca de Buenos Aires. Outra cópia estaria na Miskatonic University em Arkham. Arkan é a cidade fictícia onde se passam a maioria dos contos de Lovecraft.
  • Abdul al-Hazred teria sido devorado em público por uma "criatura invisivel".