A Imperatriz

De Ocultura
Revisão de 17h05min de 30 de outubro de 2008 por Leticiacopetti (discussão | contribs) (Interpretação da carta em o Livro de Thoth)
Ir para navegação Ir para pesquisar
Template tarot2.jpgTarot | Tarot de Thoth
Arcanos Maiores: O Louco - O Mago - A Sacerdotisa - A Imperatriz - O Imperador - O Hierofante - Os Amantes - A Carruagem - Ajustamento - O Eremita - A Fortuna - Tesão - O Enforcado - Morte - A Arte - O Diabo - A Torre - A Estrela - A Lua - O Sol - O Aeon - O Universo
Arcanos Menores: Paus | Copas | Espadas | Discos
A Imperatriz

A Imperatriz é a ligação entre o Pai e a Mãe. O número III simboliza a síntese criativa e a perfeição: o elemento que está subjetivo neste arcano é a água ( e uma carta Lunar) força energética feminina. A Vênus é o amor incondicional. Como Mãe ela é a doadora da vida e em seus braços ela demonstra o amor maternal protegendo e cuidando daquilo que pensa que é a sua necessidade. É a mulher arquetípica, a derradeira expressão do que é feminino, ( último estágio desta polaridade) sendo receptiva e magnética. Ela é o lar para qual todos nós retornamos para relaxar, amar, ser amado. É a Grande Mãe Criadora, poderosa, fértil e equilibrada, determinada e de um amor sutil.

Interpretações - amor, beleza, felicidade, determinação, fertilidade, amizade, doçura, êxito, equilíbrio.

Caminho da Árvore da Vida - De Chokmah a Binah

Letra Hebraica - Daleth - porta

Valor - 4

Tattwa - Água e fogo

Nome Místico - A Filha dos Poderosos

Planeta - Vênus

Interpretação da carta em o Livro de Thoth

Esta carta é atribuída à letra Daleth, que significa porta e se refere ao planeta Vênus. A carta é, a julgar pela aparência, o complemento de O Imperador, mas suas atribuições são muito mais universais.

Na Árvore da Vida, Daleth é o caminho que conduz de Chokmah a Binah, unindo Pai e Mãe. Daleth é um dos tres caminhos que estão completamente acima do Abismo. há, ademais, o símbolo alquímico de Vênus, o único dos símbolos planetários que abrange todas as Sephiroth da Árvore da Vida. A doutrina implícita é que a fórmula fundamental do Universo é o Amor( o círculo toca as Sephiroth 1, 2, 4, 6, 5, 3; a Cruz é formada por 6, 9, 10 e 7, 8).

É impossível resumir os significados do símbolo da Mulher por esta razão mesma, a saber, ela continuamente reaparece sob forma infinitamente variada. " A de muitos tronos, muitas disposições, muitas manhas, filha de Zeus".

Nesta carta ela é mostrada em sua manifestação mais geral. Combina as qualidades espirituais mais elevadas com as materiais mais baixas. Por esta razão, ela está apta a representar uma das três formas alquímicas da energia, o Sal. O Sal é o princípio inativo da natureza, é matéria que precisa ser energizada pelo enxofre para representar o equilíbrio rotativo do Universo.

Os braços e o tronco da figura, por conseguinte, sugerem uma forma do símbolo alquímico do Sal. Ela representa uma mulher com coroa e trajes imperiais sentada a um trono, cujas colunas de apoio sugerem colunas azuis torcidas, simbolizadoras de seu nascimento da água, o feminino, o elemento fluído. Em sua mão direita ela segura o lótus de Ísis, o lótus representando o feminino ou o poder passivo; suas raízes estão na terra sob a água, ou na própria água mas ele abre sua pétalas para o Sol cuja imagem é o bojo do cálice. É, portanto, uma figura viva do Cálice Sagrado( O Santo Graal) santificada pelo sangue do Sol. Empoleirados nas colunas de apoio em forma de chama de seu trono estão duas de suas árvores mais sagradas, o pardal e a pomba. O ponto essencial deste simbolismo precisa ser buscado nos poemas de Catulo e Marcial. Há abelhas sobre seu manto e também dominós, circundado por linhas espirais contínuas. A significação é similar em toda parte. Em torno dela, como um cinto, se acha o Zodíaco.

Sob o trono há um piso coberto de tapeçaria bordada com flores-de-lis e peixes, os quais parecem estar adornando a Rosa Secreta, que é mostrada à base do trono. A significação deste símbolos já foi explicada. Nesta carta todos os símbolos são cognatos devido à simlicidade e pureza do emblema. Não há aqui nenhuma contradição; a oposição que parece existir é apenas a oposição necessária ao equlíbrio, o que é indicado pelas luas giratórias.

A heráldica da Imperatriz é dupla: de um lado o Pelicano da tradição alimentando seus filhotes do sangue de seu próprio coração, do outro, a a Águia Branca do Alquimista.

Símbolos Principais:

Blusa Rosa - Amor Sutil (Ágape)

Lótus Azul - Santo Graal ( Polaridade Masculina e Feminina, Sol e Lua)

As Duas Luas - Dualidade necessária

Lua Crescente - Eva

Lua Minguante - Lilith

Cinturão - Zodíaco

Cisne - Símbolo da Grande Mãe

Escudo - Simboliza o Poder

Águia de Duas Cabeças - Exacerbação de Poder

A Lua atrás da Águia - A Polaridade Feminina

A Pomba - Vênus

O Pardal - Símbolo Fálico

Chamas azuis abaixo da Pomba - O Fluxo Menstrual - As abaixo do Pardal - o Glúten ou a secreção feminina normal.

Posição da Esquerda - Como se segurasse uma criança. Os Projetos e pensamentos mais importantes.

Flor de Lis - Símbolo da Abelha, é uma referência ao produto que alimenta a Rainha - a Geleia Real

Portal - Fertilidade e a passagem para Daäth.

Coroa com Orbe - Que possui poderosa capacidade de uso da mente.

Roupa de Guerreira - Significa que encara a vida com todo o objetivo

Rosa Mística abaixo dos Pés - Símbolo do Graal, que a Imperatriz é a Suprema Guardiã.

Referências

  • O livro de Thoth- o Tarô, Aleister Crowley